A Microfilmagem surgiu nos Açores pela mão desta firma. Empresas e Entidades Públicas depararam-se, assim, com um novo método de arquivo, hoje já na era digital.
O que quer que se possa ou queira fazer com a informação digital pode igualmente ser feito com a informação microfilmada.
O Microfilme é único na preservação da documentação, na durabilidade e inviolável.

  Vantagens

Atualmente, os documentos microfilmados há 70 anos são recuperáveis e legíveis. De acordo com as informações dos fabricantes de microfilmes, estes têm uma vida útil de mais de 500 anos desde que revelados e armazenados de acordo com as normas internacionais. Para aceder à informação contida num microfilme é apenas necessária uma fonte de luz (a luz do Sol ou de uma vela poderão servir) e uma lente de aumento (ou mesmo, o fundo de uma garrafa de vidro). O microfilme é ainda legalmente aceite como prova em tribunal.

O microfilme propicia um armazenamento eficiente, ocupando apenas 2% do espaço ocupado pelo papel, a um custo muito baixo por imagem. As suas qualidades de arquivo tornam-no na melhor opção para armazenamento a longo prazo.

É muito económico reproduzir um microfilme. Pode-se distribuir de modo rápido e eficiente grandes quantidades de informação para as pessoas que desejem aceder aos seus conteúdos.

O microfilme é uma tecnologia analógica, por isso, não obstante as mudanças tecnológicas que possam ocorrer nos próximos 500 anos, poder-se-á sempre transpor a informação que os microfilmes contêm para os mais modernos sistemas digitais. Pode também ser convertido em dados eletrónicos para distribuição através da Internet e ser armazenado digitalmente para fácil consulta. Uma vez digitalizados, os documentos continuam preservados em microfilme, enquanto que a imagem digital pode ser utilizada na área informática (envio por e-mail, fax, rede, impressão, inserção num sistema de gestão eletrónica de documentos, etc.).